Os cinco conselhos do Papa Francisco aos jovens sobre internet e televisão

    Durante um recente encontro com os jovens em Sarajevo, o Papa Francisco falou com eles sobre a televisão e os novos meios de comunicação: computador, tablets, telemóveis… E deu uma série de conselhos.

1­. Deitar livros fora, mudar de canal. “Na época da imagem há que decidir o que se fazia na época dos livros: escolher o que me faz bem”. Por isso, “é preciso saber escolher os programas, e esta é uma responsabilidade nossa. Se vejo que um programa não é bom para mim, que deita por terra os valores, que me torna vulgar, ou que contém cenas desonestas, tenho que mudar de canal. Como se fazia na minha época ‘da lousa’: quando um livro era bom, lia-se; quando um livro fazia mal, deitava-se fora”.

2­. Fugir de ser escravos do computador. Cuidado com “a fantasia má, a fantasia que mata a alma. Se tu, que és jovem, vives ligado ao computador e te convertes num escravo do computador, perdes a liberdade. E se procuras no computador programas desonestos, perdes a dignidade”. Tanto na televisão como na internet “há coisas sujas, que vão da pornografia à semi­-pornografia”.

3­. Não à televisão-lixo. Atenção também “aos programas vazios, sem valores; por exemplo, programas relativistas, hedonistas, consumistas, que fomentam todas essas coisas. Nós sabemos que o consumismo é um cancro da sociedade. Falarei disso na próxima Encíclica, que sairá este mês”.

4­. Computadores e televisões, num lugar comum da casa. “Há pais muito preocupados que não permitem que haja computadores nos quartos das crianças; os computadores devem estar num lugar comum da casa. Estas são pequenas ajudas que os pais encontram para evitar que os filhos se exponham a todo este tipo de material”.

5­. Não comer em família com o telemóvel. “Estar demasiado apegado a computadores, telemóveis, etc. faz mal à alma e retira a liberdade: faz-te escravo desses meios. É curioso, em muitas famílias os pais e as mães dizem-me: estamos à mesa com os filhos e eles, com o telemóvel, estão noutro mundo”.

    “É verdade que a linguagem virtual é uma realidade que não podemos negar; devemos levá-la pelo bom caminho, porque é um progresso da humanidade. Mas quando nos leva para fora da vida em comum, da vida familiar, da vida social e também do desporto, da arte… e ficamos presos ao computador, isso é uma patologia”.

in opusdei.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *