Rio de Janeiro celebra o Padroeiro São Sebastião

ArqRio – Mesmo em meio ao sol forte e a sensação térmica que chegou a 40º, os fiéis se reuniram para celebrar o padroeiro do Rio de Janeiro, na tradicional Procissão de São Sebastião, na tarde deste domingo, 20 de janeiro. A concentração teve início às 15h, com a oração do Terço da Misericórdia, no Santuário Basílica de São Sebastião, na Tijuca.

Já às 16h, o cortejo seguiu, caminhando, em direção à Catedral Metropolitana de São Sebastião, na Avenida Chile, no Centro da cidade. Durante as duas horas de peregrinação, os fiéis louvaram, agradeceram, suplicaram, de maneira especial, pelo povo carioca e suas necessidades.

A procissão passou pela Capela Divino Espírito Santo, no Estácio, onde os presentes foram motivados a rezar pelas vocações sacerdotais. Ao parar no Hospital da Polícia Militar, também no Estácio, os fiéis rezaram pelas forças de segurança do estado e do município, e pela recuperação dos agentes de segurança e seus familiares. No Largo do Estácio, a procissão de São Sebastião acolheu a saudação das bandeiras das Escolas de Samba do Rio, abraçando a cultura popular do povo carioca. Já em frente ao Instituto Nacional do Câncer (INCA), na Praça da Cruz Vermelha, os milhares de devotos rogaram por todos os enfermos, pelos profissionais da área da saúde e pelos agentes da Pastoral da Saúde. Finalizando na Catedral Metropolitana de São Sebastião, os fiéis participaram da Santa Missa em honra ao Padroeiro, no interior da igreja.

“A procissão de São Sebastião toma uma proporção cada vez maior e a gente tem diversos momentos para poder expressar a fé a devoção ao Padroeiro da cidade, com os muitos segmentos que compõem a nossa sociedade, a cidade do Rio de Janeiro. Em São Sebastião nós encontramos a figura desse atleta de Cristo, alguém que nos remete a uma realidade de superação, tanto que a gente percebe na sua história que ele sofreu duas vezes o martírio, mas não desistiu, não desanimou, não se entregou diante das dificuldades, e como o nosso povo carioca é um povo persistente, olha para a figura desse homem como alguém que perseverou e que buscou realizar o seu ideal que foi comunicar o amor, a verdadeira alegria. E com este ato de fé e devoção a Igreja mais uma vez proporciona ao povo a oportunidade de se expressar, somos uma janela de comunicação para que as pessoas tenham voz e possam também manifestar a sua fé em Cristo, Nosso Senhor”, afirmou o vigário episcopal do Vicariato Urbano, padre Wagner Toledo.

MISSA

Já na Catedral, o Cardeal Orani João Tempesta presidiu a Celebração Eucarística, concelebrada pelos demais bispos, sacerdotes e religiosos. Na homilia, ele recordou a Trezena de São Sebastião, mas ressaltou que se faz necessário olhar para o futuro, destacando o Ano Vocação Sacerdotal.

“Vendo a mudança de época, as ideias que vão surgindo com relação à vida dos sacerdotes, a vida dos padres, nós vimos que era importante que nós tivéssemos um caminho muito grande com os nossos sacerdotes, rezássemos pela perseverança dos nossos seminaristas no meio de tantas dificuldades e tantas tentações, e pedíssemos para que o Senhor continuasse chamando jovens em nossas paróquias para a vida sacerdotal mesmo na diversidade de situações e de regiões. Nós vemos que essa mudança de época tem toda uma maneira de tentar olhar e carimbar os padres da Igreja Católica como se todos fossem como aqueles poucos que erram. Não deveria nem ter erros, mas olham como se fosse à regra geral para todo o clero no mundo inteiro. Um só que erra já é muita coisa e nós sabemos que existe um ditado popular que diz ‘que uma só árvore que cai faz muito mais barulho do que uma floresta inteira que cresce silenciosamente’. Mas nós somos chamados justamente a olhar essa floresta inteira que cresce silenciosamente e a rezar pelos sacerdotes, pelos seminaristas e pelas vocações. O principal em nossa caminhada é suscitar carinho e orações pelas vocações”, frisou.

Dom Orani afirmou ainda: “Pedimos a intercessão de São Sebastião, vocacionado pelo amor, e refletimos sobre o que leva um jovem como Sebastião, um homem de confiança do imperador, a não se deixar levar pela religião do império e testemunhar que é cristão sabendo que isso não custaria apenas a sua profissão, mas também a sua vida, pois ele sabia que iria morrer morte. Com coragem ele se confessa cristão e sabe perder tudo, sabe também deixar-se matar pelas flechas e pauladas que levou e, tudo isso, pelo amor a Deus que carregava em seu coração. Tantos séculos nos separam no curso da história, mas sua vida demonstra a todos nós esse amor que deve dominar os nossos corações e os corações de todos os vocacionados, o amor a Jesus Cristo”, destacou.

CARTA PASTORAL

Por fim, Cardeal Tempesta assinou e fez o lançamento oficial da Carta Pastoral, que será trabalhada durante o ano de 2019 na Arquidiocese do Rio. A primeira carta assinada foi entregue ao coordenado arquidiocesano de pastoral e pároco da Catedral, cônego Cláudio dos Santos. Depois, os demais sacerdotes, religiosos e todo o povo de Deus também recebeu a carta pastoral.

Na benção final, o arcebispo concedeu a indulgência plenária a todos os fiéis que estavam preparados através dos sacramentos da Confissão, Eucaristia e verdadeiramente arrependidos de seus pecados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *