Maledicência: o pecado sobre o qual ninguém fala


Leia o artigo de Greg Kandra/Aleteia:
    É mais fácil pensar o pior dos outros do que o melhor, mas o que essa “falsa alegria” traz para nossas almas e sociedade? Sempre me lembro do quão inteligente Satanás pode ser. Considere, por exemplo, um pecado pouco nocivo que parece ter criado raízes e cresceu na era da mídia social: a maledicência. Tenho visto isso cada vez mais. Ninguém realmente fala sobre isso ou sobre o dano que inflige – mesmo o papa tendo sublinhado, muitas vezes, o mal inerente do primo próximo desse pecado, a fofoca.

Então, qual é o problema?

    Em primeiro lugar, o Catecismo da Igreja Católica  ensina que a maledicência é um pecado contra o oitavo mandamento:

    O respeito pela reputação das pessoas proíbe toda e qualquer atitude ou palavra susceptíveis de lhes causar um dano injusto. Torna-se culpado:
– de juízo temerário, aquele que, mesmo tacitamente, admite como verdadeiro, sem prova suficiente, um defeito moral do próximo;
– de maledicência, aquele que, sem motivo objetivamente válido, revela os defeitos e as faltas de outrem a pessoas que os ignoram;
– de calúnia, aquele que, por afirmações contrárias à verdade, prejudica a reputação dos outros e dá ocasião a falsos juízos a seu respeito.

    Para evitar o juízo temerário, cada um procurará interpretar em sentido favorável, tanto quanto possível, os pensamentos, as palavras e os atos do seu próximo:
    «Todo o bom cristão deve estar mais pronto a interpretar favoravelmente a opinião ou afirmação obscura do próximo do que a condená-la. Se de modo nenhum a pode aprovar, interrogue-se sobre como é que ele a compreende: se ele pensa ou compreende menos rectamente, corrija-o com benevolência; e se isso não basta, tentem-se todos os meios oportunos para que, compreendendo-a bem, ele regresse do erro são e salvo».

    A maledicência e a calúnia destroema reputação e a honra do próximo. Ora, a honra é o testemunho social prestado à dignidade humana e todos gozam do direito natural à honra do seu nome, à boa reputação e ao respeito. Por isso, a maledicência e a calúnia lesam as virtudes da justiça e da caridade. E a mídia, somos lembrados, têm uma responsabilidade especial:

    A informação mediática está ao serviço do bem comum. A sociedade tem direito a uma informação fundada na verdade, na liberdade, na justiça e na solidariedade.

    «O uso reto deste direito requer que a comunicação seja, quanto ao objecto, sempre verídica, e quanto ao respeito pelas exigências da justiça e da caridade, completa; quanto ao modo, que seja honesta e conveniente, quer dizer, que na obtenção e difusão das notícias, observe absolutamente as leis morais, os direitos e a dignidade do homem».

    «Também neste domínio é necessário que todos os membros da sociedade cumpram os seus deveres de justiça e de verdade. Devem utilizar os meios de comunicação social no sentido de concorrer para a formação e difusão de um recta opinião pública».

     A solidariedade é consequência duma comunicação verdadeira e justa e da livre circulação das ideias que favorecem o conhecimento e o respeito pelos outros.

    Pela própria natureza da sua profissão na imprensa, os seus responsáveis têm a obrigação, na difusão da informação, de servir a verdade sem ofender a caridade. Esforçar-se-ão por respeitar, com igual cuidado, a natureza dos factos e os limites do juízo crítico em relação às pessoas. Devem evitar ceder à difamação.

    Ninguém melhor que Pe. John A. Hardon, SJ, para falar sobre o pecado da maledicência: “A boa reputação de uma pessoa pertence a ela, e nós não podemos feri-la, revelando, sem proporcional grave razão, a verdade do que sabemos sobre ela.

    Maledicência é, portanto, um pecado contra a justiça, porque priva um homem ou uma mulher do que eles normalmente valorizam mais do que riquezas. Sócrates declarou que a maneira de conseguir a boa reputação reside no esforço em ser aquilo que se deseja parecer, destacando o esforço necessário para adquirir um bom nome. Tudo isso, mais até do que a riqueza acumulada, pode ser destruído por um único ato criminoso de maledicência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *