Padre Eduardo Teixeira é assassinado em Novo Hamburgo (RS)


Foi sepultado, na manhã desta terça-feira, o padre Eduardo Teixeira, morto a tiros quando voltava de um jantar comemorativo

       Porto Alegre, CNBB/Zero Hora – Foi assassinado no final da noite de domingo, 16 de dezembro, em Novo Hamburgo (RS), o padre Eduardo Teixeira. Conforme a Brigada Militar (BM), o caso aconteceu durante um assalto na rua Barão de Santo Ângelo, bairro Jardim Mauá.
       Padre da Paróquia de Santa Terezinha, de Campo Bom, Eduardo Teixeira, estava na companhia de outro padre, Rafael Barbieri, 37. Os dois foram abordados quando pararam em um semáforo. Padre Rafael havia assumido como pároco da igreja Nossa Senhora das Graças, no bairro Rondônia, em Novo Hamburgo, no mesmo dia.

       Amigos há mais de oito anos, padre Eduardo foi ao jantar em comemoração pela nova paróquia do padre Rafael. Na volta, de acordo com o depoimento do padre sobrevivente, os dois pararam na Avenida General Daltro Filho, no bairro Hamburgo Velho, para pedir orientação a dois homens.

      “Eles estariam perdidos em Novo Hamburgo, e abordaram os dois homens na rua”, afirmou o delegado de Homicídios, Enizaldo Plentz. Os assaltantes mandaram que o padre parasse o carro em que estavam e os obrigaram a entrar no Parque Henrique Luis Roessler.

       Segundo depoimento à polícia, o padre Rafael afirma ter entregado uma carteira com pouco mais de R$ 100 aos bandidos. “Não se sabe o porque, o padre Eduardo tentou voltar correndo para dentro do carro, quando foi atingido por tiros efetuados pelos bandidos”, disse o delegado Enizaldo Plentz.

       Os bandidos fugiram levando o carro, que estava em nome da Paróquia Santa Teresinha. A Brigada Militar foi informada sobre o crime por uma pessoa que passava pelo local. O padre chegou a ser levado com vida a um hospital de Novo Hamburgo, mas não resistiu.

Padre completaria três anos de sacerdócio
      Padre da Paróquia de Santa Terezinha, de Campo Bom, Eduardo Teixeira, era bastante conhecido da comunidade. Nesta terça-feira ele completaria três anos de sacerdócio, e assumiria em janeiro a Paróquia São Jorge, bairro Campina, em São Leopoldo.

       Os dois padres vítimas do assalto eram amigos. Para o sobrevivente, Rafael, a violência é algo que faz parte da vida, mas é inaceitável. “É uma perda muito grande, éramos amigos há mais de oito anos. Sabemos que essas coisas podem acontecer, mas não esperamos”, afirmou o padre.

CONTRADIÇÕES INTRIGAM A POLÍCIA: veja no link http://zip.net/bqh74C

       Veja algumas fotos do sepultamento:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *