Lançada a novena de oração pelo fim do aborto

    Washington DC, ACI/EWTN Noticias – Entre os dias 18 e 26 de janeiro deste ano terá lugar a jornada “9 Dias pela vida” convocada pelos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB por sua sigla em inglês) com o fim de promover uma cultura aberta à vida no marco do 41º  aniversário do caso Roe Vs. Wade que trouxe como consequência a aprovação para que a corte suprema americana legalizasse o aborto no país, causando a morte de mais de 55 milhões de bebês.

    Segundo os bispos, “a oração de todos conta, seus sacrifícios fazem a diferença”. Os Prelados norte-americanos apresentaram através do site da USCCB, uma série de recursos que permitirá que os fiéis do país e as pessoas de boa vontade que respeitam e protegem a vida unam-se à novena de oração, penitência e peregrinação pelas vítimas do aborto.

    A novena de oração também está disponível em um app para aparelhos com sistemas Android e iOS.

    As pessoas poderão inclusive receber no celular um link com o conteúdo diário da novena e para recebê-lo no correio eletrônico deverá inscrever-se primeiro no site Web da Conferência em:

Etapas da Gravidez
Uma vez que ocorrida a fertilização, óvulo e o espermatozóide deixam de existir. Surge assim uma nova pessoa. Esta é uma verdade científica comprovada e indiscutível.

NO PRIMEIRO DIA o ser humano é um pequeníssimo organismo vivente que pesa tão somente 15 dez milionésimos de grama. Esta primeira célula é um ser humano com identidade própria e com uma composição genética diferente da de sua mãe. Nessa primeira célula encontram-se todas as qualidades genéticas do indivíduo, que vão se desenvolver progressivamente.

NO SÉTIMO DIA de concebido, o embrião mede um milímetro e meio e emite uma mensagem química que força a mãe a conservá-lo é o bebê que detém o ciclo menstrual de sua mãe. O coração ainda não pode ser escutado mas já palpita e tem o tamanho de um grão de trigo aproximadamente.

NA SEGUNDA SEMANA, o coração já bate e o bebê tem os membros muito pequenos mas esboçados.

EM OITO SEMANAS, o bebê já mede três centímetros da cabeça até o final da coluna, já possui forma completamente humana, tem cabeça, braços, dedos, etc. tem inclusive as linhas das mãos traçadas.

ENTRE OITO E DEZ SEMANAS, as impressões digitais já estão presentes, são muito pequenas. Se pudesse fotografar e ampliar, obteríamos perfeitamente suas digitais e já poderia ter seu documento de identidade. Estas impressões já não mudarão até o final de sua vida.

COM DOZE SEMANAS, o bebê já é muito maior. Se nesse momento fosse acariciado no lábio superior com um fio, faria uma careta. Já é capaz de fechar os olhos, de fechar os punhos e bebe grande quantidade do líquido amniótico porque os bebês gostam muito e bebem continuamente. Está demonstrado que muitos bebês têm hipo porque bebem muito depressa. É então quando a mãe sente seus movimentos.

COM 16 SEMANAS, com apenas 12 ou 12 ½ milímetros de tamanho, o bebê pode usar as mãos para agarrar, pode nadar e até dar piruetas.

O BEBÊ DE 18 SEMANAS, é ativo e energético, flexiona os músculos, dá socos e chuta, agora a mãe sente seus movimentos mais claramente. Antes do avanço da ciência se pensava que nesta etapa, a idade da “atividade”, a vida iniciava. Entretanto, o desenvolvimento real do bebê começou na concepção, 18 semanas antes. A partir deste momento, tudo será simples crescimento e desenvolvimento, pois o bebê está perfeitamente formado.

ENQUANTO CRESCE DENTRO DA MÃE, o bebê se desenvolve separadamente dela, com sua provisão de sangue individual.

A lógica jurídica a partir destes fatos científicos nos levam a concluir que o assassinato do bebê não nascido, em qualquer de suas etapas, constitui um crime idêntico ao assassinato de qualquer ser humano que se encontra fora do ventre da mãe, com o agravante de que se trata do ser mais indefeso que existe.


Tipos de Aborto

O assassinato de um bebê não nascido é produzido, além de por meio de alguns métodos domésticos, através dos seguintes métodos:

– Por envenenamento salino
Extrai-se o líquido amniótico dentro da bolsa que protege o bebê. Introduz-se uma longa agulha através do abdômen da mãe, até a bolsa amniótica e injeta-se em seu lugar uma solução salina concentrada. O bebê ingere esta solução que lhe causará a morte em 12 horas por envenenamento, desidratação, hemorragia do cérebro e de outros órgãos.

Esta solução salina produz queimaduras graves na pela do bebê. Algumas horas mais tarde, a mãe começa “o parto” e da a luz a um bebê morto ou moribundo, muitas vezes em movimento.
Este método é utilizado depois da 16o semana de gestação.

– Por Sucção
Insere-se no útero um tubo oco que tem uma ponta afiada. Uma forte sucção (28 vezes mais forte que a de um aspirador doméstico) despedaça o corpo do bebê que está se desenvolvendo, assim como a placenta e absorve “o produto da gravidez” (ou seja, o bebê), depositando-o depois em um balde. O abortista introduz logo uma pinça para extrair o crânio, que costuma não sair pelo tubo de sucção. Algumas vezes as partes mais pequenas do corpo do bebê podem ser identificadas. Quase 95% dos abortos nos países desenvolvidos são realizados desta forma.

– Por Dilatação e Curetagem
Neste método é utilizado uma cureta ou faca proveniente de uma colher afiada na ponta com a qual vai-se cortando o bebê em pedaços com o fim de facilitar sua extração pelo colo da matriz. Durante o segundo e terceiro trimestre da gestação o bebê é já grande demais para ser extraído por sucção; então utiliza-se o método chamado dilatação e curetagem.

A cureta é empregada para desmembrar o bebê, tirando-se logo em pedaços com ajuda do fórceps. Este método está se tornando o mais usual.

– Por “D & X” às 32º semanas
Este é o método mais espantoso de todos, também é conhecido como nascimento parcial. Costuma ser feito quando o bebê se encontra já muito próximo de seu nascimento. Depois de ter dilatado o colo uterino durante três dias e guiando-se por ecografia, o abortista introduz algumas pinças e agarra com elas uma perninha, depois a outra, seguida do corpo, até chegar aos ombros e braços do bebê. Assim extrai-se parcialmente o corpo do bebê, como se este fosse nascer, salvo que deixa-se a cabeça dentro do útero. Como a cabeça é grande demais para ser extraída intacta; o abortista, enterra algumas tesouras na base do crânio do bebê que está vivo, e as abre para ampliar o orifício. Então insere um catéter e extrai o cérebro mediante sucção.

Este procedimento faz com que o bebê morra e que sua cabeça se desabe. Em seguida extrai-se a criatura e lhe é cortada a placenta.

– Por Operação Cesárea
Este método é exatamente igual a uma operação cesárea até que se corte o cordão umbilical, salvo que em vez de cuidar da criança extraída, deixa-se que ela morra. A cesárea não tem o objetivo de salvar o bebê mas de matá-lo.

– Mediante Prostaglandinas
Esta droga provoca um parto prematuro durante qualquer etapa da gravidez. É usado para levar a cabo o aborto à metade da gravidez e nas últimas etapas deste. Sua principal “complicação” é que o bebê às vezes sai vivo. Também pode causar graves danos à mãe. Recentemente as prostaglandinas foram usadas com a RU- 486 para aumentar a “eficácia” destas.

– Pílula RU-486
Trata-se de uma pílula abortiva empregada conjuntamente com uma prostaglandina, que é eficiente se for empregada entre a primeira e a terceira semana depois de faltar a primeira menstruação da mãe. Por este motivo é conhecida como a “pílula do dia seguinte”. Age matando de fome o diminuto bebê, privando do de um elemento vital, o hormônio progesterona. O aborto é produzido depois de vários dias de dolorosas contrações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *